We use cookies on our website to provide you with the best possible user experience. Disabling these cookies may prevent our site from working efficiently. To find out more about our cookies read our privacy policy.

Sobre o projeto-CEAUP

Promover os Estudos e as Práticas de Economia Social e de Capital Social no Ensino Superior

Sumário do projeto

Sobre o que é o projeto?

Esperamos atingir uma compreensão mais profunda sobre o sistema da Economia Social e Solidária com vista a promover o estudo e as práticas desta área no ensino superior.

Como vamos conseguir isto?

Através de um estudo empírico baseado num inquérito online, em estudos de caso e em metodologias de focus group com pessoas que trabalham nesta área. Isto será concretizado pelos parceiros e associados em diferentes áreas geográficas.

O que vamos fazer com esta informação?

Criaremos um manual que sirva de guia para instituições do ensino superior interessadas em desenvolver currículos sobre Economia Social e Solidária para serem ministrados nas suas instituições.

O que vai estar contemplado no manual?

Capítulo i: Epistemologia e valores – Como se constrói o conhecimento nesta área e que conhecimentos as pessoas envolvidas na Economia Social consideram ter?

Capítulo ii: Identidade e Perfil das Organizações – quem são as instituições envolvidas nesta área?

Capítulo iii: Modo de funcionamento – funcional, administrativo e operacional. Como funcionam? O que as diferencia de organizações de outros sistemas económicos?

Capítulo iv: Competências profissionais – que conhecimentos, competências e comportamentos são necessários para trabalhar nesta área?

Capítulo v: TIC – boas práticas nesta área. Como é que as TIC tornam o trabalho destas instituições mais efetivo?

Capítulo vi: Capital social – como se constrói? O que o suporta?

Capítulo vii: Responsabilidade social e transformação – como é que trazem uma mudança social positiva? Como se podem medir?

Capítulo viii: Currículo e desenho pedagógico – o que deve ser ensinado e como deve ser ensinado?

A crise económica, que se seguiu à rutura da banca em 2008, levanta sérias questões sobre o papel do ensino superior e a sua vinculação a um modelo específico de economia, perpetuando as suas limitações, e aos seus valores, que provaram ser altamente vulneráveis e instáveis.

CropsAs instituições de ensino superior têm o dever de questionar qualquer abordagem instrumentalista e reducionista que limite a capacidade dos professores e dos estudantes para aprender, estudar e investigar com o objetivo de transformar as suas próprias vidas, e as da sua comunidade, para o bem comum. Se o ensino superior quer continuar a ser relevante necessita de rever os seus fundamentos, os seus propósitos e currículos que deveriam considerar outros modelos económicos e as suas filosofias do ponto de vista de uma abordagem centrada no Homem, considerando o seu bem-estar assim como a criação de riqueza.


Este projeto espera alcançar um conhecimento mais profundo sobre a natureza, origens e práticas de uma abordagem económica centrada na pessoa humana, com o seu próprio quadro de referência de valores, pensamentos e comportamentos. Assim é o sistema de economia social tendo o capital social como sua coluna vertebral. O projeto procura ainda compreender e dar recomendações sobre como este sistema pode interagir e criar relações mais eficientes com outros sistemas e mecanismos económicos, como a responsabilidade social corporativa, para desenvolver os valores de igualdade, eficiência e reciprocidade ao serviço do desenvolvimento humano.

 

Objetivos gerais

  • Aumentar a qualidade e a atratividade da economia social e do capital social (ES & CS) no ensino superior na Europa com base em conhecimentos e experiências de diversas partes do mundo.
  • Construir uma base de conhecimentos e práticas que englobe valores e experiências no campo da ES a partir de uma grande diversidade de áreas geográficas, através da ação dialógica.
  • Rever e melhorar os atuais currículos do ensino superior europeu sobre o tema para aumentar a sua relevância junto dos estudantes de ensino superior e outros profissionais da área na Europa, África, Ásia e América do Norte e do Sul.
  • Promover um diálogo intercultural e uma compreensão mútua entre os professores do ensino superior das áreas geográficas do projeto.

Públicos-alvo: Consórcios de Universidades, comunidade alargada de profissionais do ensino superior e responsáveis pelos desenhos curriculares na Europa; organizações do 3º setor; associações de Erasmus Mundus Alumni na Europa, América Latinaa, Médio Oriente e África.

 

Principais atividades

  • Conceber, aplicar e analisar as informações de um inquérito online sobre economia social, capital social e responsabilidade social das empresas de forma a possibilitar a recolha de conteúdos que possam ser tratados e utilizados num manual.
  • Elaborar um manual que possa servir de referência para a conceção de um currículo de ensino superior, tendo por base os resultados do inquérito online.

 

Resultados Esperados

  • Um manual publicado que possa servir de referência para conceção de um currículo baseado nos resultados esperados do inquérito online;
  • Artigos científicos publicados em revistas internacionais, relacionados com a epistemologia e com as práticas da economia social, do capital social e da responsabilidade social, e com o desafio de incluir estas áreas no ensino superior;
  • Um plano estratégico para a consultoria e distribuição do manual para promover a construção efetiva de cursos nesta área em universidades europeias e não europeias;
  • Um aumento de interesse das universidades não europeias em cursos de economia social dentro das universidades do consórcio;
  • Consultoria a instituições de ensino superior e instituições governamentais.

 

Disseminação de resultados

  • Publicações em revistas científicas;
  • Organização e participação em conferências internacionais;
  • Página do projeto na internet, atualizada com informações e resultados.

 

Apoios

Para além do programa Erasmus Mundus, o projeto obteve o apoio da Aliança das Civilizações das Nações Unidas e da Fundação Joseph Rowntree no Reino Unido.

Mais de 50 universidades em todo o mundo tornaram-se Parceiros Associados do projeto. Estima-se que esta lista aumente, uma vez que outras universidades e organizações dos setores público e privado evidenciam o seu interesse em participar seja como:

  • Parceiros Associados (envolvidos na implementação do projeto nos seus próprios países);
  • Facilitadores de contactos (estabelecendo contactos entre o projeto e organizações interessadas);
  • Amigos do projeto (interessados em receber informações sobre o desenvolvimento do projeto).